Vídeos Relacionados:

Teatro Espontâneo e Psicodrama

 

"Drama" significa "ação" em grego. Psicodrama pode ser definido como uma via de investigação da alma humana mediante a ação. É um método de pesquisa e intervenção nas relações interpessoais, nos grupos, entre grupos ou de uma pessoa consigo mesma. Mobiliza para vivenciar a realidade a partir do reconhecimento das diferenças e dos conflitos e facilita a busca de alternativas para a resolução do que é revelado, expandindo os recursos disponíveis. 


O Teatro espontâneo é uma das modalidades do Psicodrama, que visa encontrar respostas para problemas de caráter grupal e social, trabalhar com expectativas e conflitos nos grupos, e propiciar uma melhor integração dos membros dos grupos, além de proporcionar o desenvolvimento da espontaneidade e criatividade dos participantes."Drama" significa "ação" em grego. Psicodrama pode ser definido como uma via de investigação da alma humana mediante a ação. É um método de pesquisa e intervenção nas relações interpessoais, nos grupos, entre grupos ou de uma pessoa consigo mesma. Mobiliza para vivenciar a realidade a partir do reconhecimento das diferenças e dos conflitos e facilita a busca de alternativas para a resolução do que é revelado, expandindo os recursos disponíveis. O Teatro espontâneo é uma das modalidades do Psicodrama, que visa encontrar respostas para problemas de caráter grupal e social, trabalhar com expectativas e conflitos nos grupos, e propiciar uma melhor integração dos membros dos grupos, além de proporcionar o desenvolvimento da espontaneidade e criatividade dos participantes.

Introdução ao Psicodrama

 

O psicodrama, concebido pelo psiquiatra romeno Jacob Levi Moreno é uma modalidade de terapia psicológica, na qual o paciente deve representar seus acontecimentos e emoções, procurando experimentá-los como se os estivesse vivendo em tempo presente. Suas sessões costumam ser grupais e pode-se aplicá-lo nos mais diversos campos, como o educacional ou o laboral.

A terapia do psicodrama ajuda no crescimento pessoal, a autoestima, a vida afetiva, a conduta e os relacionamentos. Também aumenta o bem-estar físico e emocional e permite aprender e desenvolver novas habilidades. Sua técnica foi inspirada no teatro de improvisação e foi originalmente pensada por seu autor como uma “psicoterapia profunda de grupo”.

SOCIATRIA

 

A Sociatria constitui a terapêutica das relações sociais, e utiliza como método: a Psicoterapia de Grupo, o Psicodrama e o Sociodrama; como aplicação destes, Moreno vislumbrava a possibilidade de tratamento e de cura do social mais amplo.

O Psicodrama é o tratamento do indivíduo e do grupo através da ação dramática. No Psicodrama de grupo o protagonista poderá ser um indivíduo ou o próprio grupo.

A Psicoterapia de grupo prioriza o tratamento das relações interpessoais inseridas na dinâmica grupal. No Sociodrama, o protagonista é sempre o grupo e as pessoas estão reunidas enquanto mantêm alguma tarefa ou objetivo em comum

Método psicodramático

 

O método do Psicodrama usa a representação dramática como um núcleo de abordagem e exploração do ser humano e seus vínculos. A ação, unida à palavra, brinda o mais completo desdobramento do conflito, do drama que ocupa o protagonista no espaço dramático. Na cena, o indivíduo pode representar seus conflitos passados e presentes, e também trazer seus temores, expectativas, projetos e dúvidas sobre o futuro, explorando suas relações com o presente e o passado.

Distinguem-se, no desenvolvimento da ação dramática, três momentos que possuem, cada um, uma importância singular.

A primeira fase, chamada aquecimento, é onde se prepara o clima do grupo. Escolhem-se um tema e um protagonista e tenta-se penetrar no mesmo no maior nível de espontaneidade possível.

O segundo momento ou fase é a representação propriamente dita, a cena dramática. Aqui ganham importância os eu-auxiliares, que serão os encarregados de encarnar os personagens para os quais o protagonista os escolheu: os personagens reais ou fantasiosos, aspectos do paciente, símbolos do seu mundo.

O terceiro momento ou fase é o compartilhar, é onde o grupo participa terapeuticamente. Nesta etapa o grupo devolve, compartilha seus sentimentos e vivências, tudo o que lhes foi acontecendo durante a cena, as ressonâncias que ele produziu.

As diversas técnicas dramáticas utilizadas durante a representação foram pensadas por Moreno em relação com sua teoria da evolução da criança. Cada uma delas cumpre uma função que corresponde a uma etapa do desenvolvimento psíquico. O diretor do Psicodrama instrumentará, em cada situação, aquelas que pareçam mais adequadas e correspondentes ao momento do drama, segundo o tipo de vinculação que nele se expressa.

A primeira etapa de indiferenciação do Eu como o Tu corresponde á técnica da dupla.

A segunda, do reconhecimento do Eu, a técnica do espelho.

A terceira etapa do reconhecimento do eu, a técnica da inversão de papéis.

Mediante a técnica da dupla, um eu-auxiliar desempenha o papel de protagonista. Verbal e gestualmente complementam aquilo que, a partir desse desempenho, entende e sente que o protagonista não pode expressar completamente por ser isto desconhecido ou oculto, por inibições. Coloca-se ao lado e idêntica postura ao protagonista, fazendo seus movimentos, funcionando como a mãe e a criança na primeira etapa.

Na técnica do espelho, o protagonista sai do palco e é público da representação que um eu-auxiliar faz dele. Busca-se, com isso, que o paciente se reconheça em determinada representação, assim como na sua infância reconheceu sua imagem no espelho. O terapêutico desta técnica está em que se reconheçam como próprios os comportamentos e aspectos que lhe são desconhecidos e que importam para o esclarecimento do conflito.

Utilizando a técnica da inversão de papéis, a mudança de papéis investiga na cena o sentir desses personagens do mundo do paciente. Esta é a técnica básica do Psicodrama.

Existem outras técnicas dramáticas criadas por Moreno e posteriores a ele. Moreno, tomando do modelo teatral seus elementos, distinguem, para a cena psicodramática, cinco elementos ou instrumentos:

a) Cenário: neste continente desdobra-se a produção e nele podem-se representar fatos simples da vida cotidiana, sonhos,delírios, alucinações.

b) Protagonista: o protagonista pode ser um indivíduo, uma dupla ou um grupo. É quem, em Psicodrama, protagoniza seu próprio drama. Representa a si mesmo e seus personagens são parte dele. Palavra e ação se integram, ampliando as vias de abordagem.

c) Diretor: o psicoterapeuta do grupo é também o diretor psicodramático. O diretor do psicodrama está atento a toda informação ou dado que o protagonista de, para incluí-la na cena, guia e ajuda a chegar à cena com espontaneidade. Uma vez começada a cena, o diretor se retira do espaço dramático e somente intervém se é necessário incluir alguma técnica, dando ordens ao protagonista ou ego-auxiliares.

d) Público: é o grupo terapêutico Moreno distingue três procedimento segundo o objeto de estudo para se abordar quando se dramatize:

Psicodrama, tratamento dos conflitos individuais.

Sociodrama, onde o objeto de estudo são os grupos sociais.

Role playing: quando o Psicodrama é utilizado para a formação e treinamento de papéis profissionais e técnicos.

<:http://febrap.org.br/federacao/oquee.asp&gt;

Criado Por Ludmila Coutinho. Mente e Movimento. Todos os direitos reservados®

Rua Coronel Moreira César, nº 426 - sala 405, Icaraí - Niterói -RJ

Tel.: (21) 98883-8143 / 98777-8142 / 2611-2367