• Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square

Não faça para os outros, o que eles podem fazer sozinhos

1/5
Please reload

TRAUMA TEM CURA

1/6
Please reload

TEATRO ESPONTÂNEO COMO ABORDAGEM TERAPÊUTICA

1/10
Please reload

Como abordar o trauma?

16/05/2018

Antes de abordar o trauma, o terapeuta conecta primeiro com estados de alguma segurança, calma, ou força, potencial. Estados que nos deixam muito melhor preparados para encarar as memórias do trauma e dar conta delas. É como buscar as nossas armas antes de entrar na batalha. Essa capacidade de alternar na consciência entre algo que é facilitador e algo que é um desafio, chamada de pendulação, nos permite avançar com segurança.

Em geral trabalhamos sentados, conversando sobre o que acontece na nossa senso-percepção, no momento atual, ao relembrar algo do passado. Observamos a experiência primariamente através das sensações do corpo. É no corpo que sentimos o medo e a dor, é no corpo que sentimos o alivio e a força, é nele que sentimos a alta ativação fisiológica (como tensão, constrição, náusea, etc) e nele surgem as respostas afirmativas de defesa, antes impedidas ou incompletas, que agora podem se completar e descarregar.

Acompanhamos a experiência ajudando a modular sua intensidade “gota a gota", de forma a manter a estabilidade fisiológica e emocional necessária para completar as respostas da forma mais eficiente. Enquanto, com segurança, tocamos na memória traumática, a descarga acontece como movimentos, respirações, tremores, ondas de calor ou vibração, etc.

Quando a experiência fisiológica se acalma e organiza, a experiência emocional naturalmente acompanha, e surgem sentimentos de alivio e afetos positivos, assim como insights e ressignificação cognitiva.

A medida que a energia vai sendo integrada e organizada no Sistema Nervoso, sentimos aumentar nossa resiliência: a capacidade de conter e suportar estados de maior intensidade vital sem se sentir mal, sem se desorganizar. Assim, ao enfrentar e transformar experiências traumáticas, ficamos cada vez mais aptos para viver a intensidade da nossa própria vida, tanto nos momentos difíceis quanto nos momentos de plenitude e expansão.

 

Experiência Somática do Rio de Janeiro

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload