• Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square

Não faça para os outros, o que eles podem fazer sozinhos

1/5
Please reload

TRAUMA TEM CURA

1/6
Please reload

TEATRO ESPONTÂNEO COMO ABORDAGEM TERAPÊUTICA

1/10
Please reload

Como mudar situações negativas da sua vida e abrir mão do sofrimento

19/01/2017

 

A felicidade e a alegria só são possíveis quando mantemos o coração aberto. Para isso, é precisamos abrir mão do sofrimento e nos harmonizar com o fluxo da vida, tornando-nos desprendidos e naturais, capazes de ouvir e atender os comandos do coração.

 

A felicidade e a alegria só são possíveis quando mantemos o coração aberto. Para isso, é precisamos abrir mão do sofrimento e nos harmonizar com o fluxo da vida, tornando-nos desprendidos e naturais, capazes de ouvir e atender os comandos do coração. Por isso, trabalhamos para nos tornarmos capazes de desvendar o amor, que é uma fragrância do Supremo e está em tudo, mas que a mente condicionada nos impede de perceber essa realidade espiritual. Ela nos faz sentir separados, isolados e faz com que sigamos numa direção oposta ao fluxo do coração. E o fato de ter essas duas forças agindo em direções opostas dentro de nós, gera o que conhecemos como sofrimento.

Se o que eu proponho é se harmonizar com o fluxo da vida e resgatar o estado de desprendimento e naturalidade, então, proponho que você identifique aquilo que te impede de ser natural, aquilo que te impede de ser desprendido. Encontre os condicionamentos mentais, as crenças e as imagens que sabotam sua felicidade. Identifique os aspectos da personalidade que ainda se encontram trancados em negação, que fazem você ir em direção oposta àquela que o seu coração está determinando. Quando você puder identificar esses aspectos, que eu tenho chamado de não, você poderá fazer algo a respeito.

 

 

“Sempre que estamos reagindo criamos um sintoma muito fácil de ser identificado, que são situações negativas ou destrutivas que se repetem em nossa vida.”

 

 

Para simplificar, vou chamar o comando do coração de sim e tudo aquilo que vem da mente condicionada e te leva à direção oposta de não. O sim é a ação que nasce da presença, é o amor em movimento. O não nasce do passado, nasce da sua agitação interna, é uma forma de se defender, de se proteger das ameaças da vida. É, portanto, uma reação. Sempre que estamos reagindo criamos um sintoma muito fácil de ser identificado, que são situações negativas ou destrutivas que se repetem em nossa vida. Situações que você tenta mudar através da vontade consciente, mas não consegue.

 

Eu sugiro que você inicie esse processo de desvendamento do amor tomando consciência das áreas da sua vida em que você não está feliz, daquilo que você gostaria que fosse diferente. É por isso que eu tenho dito que o primeiro valor para despertar o amor é a honestidade com os seus sentimentos mais profundos: você está onde gostaria de estar? Está podendo ser desprendido e natural? Está trabalhando com aquilo que gostaria de trabalhar? Está se relacionando com as pessoas que queria se relacionar?

Porque à medida em que vamos perdendo esse estado de desprendimento e naturalidade, passamos a nos mover mecanicamente. A reação é um movimento mecânico. Passamos a nos colocar em situações por conta de razões que desconhecemos. Somos levados por uma inconsciência coletiva, uma mecanicidade coletiva. Você acha que está fazendo determinadas coisas mas não está. Você acha que é você quem se casa, tem filhos, constrói uma casa, faz uma música, mas na verdade, você só está dando passagem para essa mecanicidade, esta inconsciência coletiva. Você está indo na direção contrária da qual o seu coração determina e, inevitavelmente, gerando sofrimento.

 

Continue se perguntando: o que é na sua vida que você gostaria que fosse diferente? É muito importante tomar consciência das suas insatisfações porque elas estão intimamente relacionadas com o auto-ódio, que é a única frequência capaz de gerar destruição. À medida em que você se aprofunda nesse trabalho de autoconhecimento, descobre como e porque o ódio se voltou para você mesmo, na forma de culpa, vingança, protestos e obstinação. Mas para descobrir isso é necessário fazer algumas relações de causa e efeito. É preciso ter coragem de olhar para a sua constelação familiar e as contas que estão abertas. Porque a reação nasce do passado e se você está indo na contramão é porque tem um passado que ainda não foi integrado, não foi curado.

 

Em resumo, estou propondo que você se liberte desse passado e que viva a partir do momento presente. Mas para se libertar do passado é preciso olhá-lo de frente e compreendê-lo. Quando eu digo: “vá e encontre o sabotador da sua felicidade”, estou te dizendo para ir atrás das vozes dentro de você que dizem “eu quero ser rancoroso”, “eu quero ficar isolado e separado”, “eu quero fracassar e dar errado”. Porque partimos do princípio de que você está onde se coloca, portanto, tem responsabilidade sobre as situações negativas da sua vida e o sofrimento que elas geram. Lembre-se que a premissa básica desse processo de se conhecer é a autorresponsabilidade.

 

 

Quando eu digo para você ir atrás desse eu, você inevitavelmente acaba encontrando dentro de si sentimentos como o ódio ou o medo. Embora eles tenham poder suficiente para sabotar a sua felicidade e criar um monte de misérias e situações difíceis na sua vida, eles são apenas guardiões. Se você continua com o processo de auto-observação, vai poder entrar em contato com aquilo que está por trás desse ódio e desse medo e que é o que realmente lhe causa dor.

De uma forma geral, o ser humano quando se aproxima do porão dos sentimentos negados – e todos têm o porão dos sentimentos negados – entra em contato com situações de terror. Isso porque ele recorda da dor que sentiu no momento em que perdeu a confiança na vida, em que perdeu sua naturalidade e espontaneidade. Há crianças que foram abusadas, violentadas, humilhadas, excluídas, abandonadas… Isso, por sua vez, gerou sentimentos aniquiladores que não são fáceis de ser integrados.

A cura psicoespiritual é a cura dessas fendas ou feridas no seu corpo emocional e, consequentemente, a libertação dessas marcas, dessas imagens congeladas no seu corpo mental. Essas imagens congeladas se traduzem como rigidez de pensamento e condicionamentos que limitam sua capacidade de percepção. Entenda que essas marcas emocionais impedem que você transite da consciência humana para a consciência maior. Portanto, para realizar esse trabalho de cura que possibilita a sua evolução espiritual, você precisa curar essas marcas. E para curar, você tem que ter coragem de descer ao porão. Essa é uma passagem necessária, não fuja disso.

É necessário ter disposição para olhar e lidar com essas dores, até porque, ao chegar perto delas, você deverá entrar em contato também com uma crença de que essas dores irão te destruir e que você não conseguirá atravessá-las. Lembre-se: isso é apenas uma crença! O ódio e o medo que estão te protegendo de acessar essas dores são muito mais destrutivos. Essas dores não podem ferir a sua alma porque são passageiras. No mais profundo, essas dores são mensageiras. Abra-se para receber suas mensagens e poder seguir adiante.

 

 

 

Fonte:https://www.sriprembaba.org

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload

Categorias

Tipos de bullying nas escolas

1/10
Please reload